quinta-feira, 3 de agosto de 2017

XVII FESTIVAL DE FOLCLORE DE CONCEIÇÃO DE FARO



A Casa do Povo de Conceição de Faro, vai realizar o seu tradicional Festival de Folclore Nacional o qual terá lugar no Largo da igreja, nos próximos dias 11 e 12 do corrente , com o seguinte programa:

Sexta-Feira, 11

  • 21.00 horas - Baile Popular com o Duo NESTOR & NUNO

Sábado, 12
  • 20.30 horas - Desfile dos Grupos Participantes e Entrega de Lembranças
  • 21.00 horas - Inicio do Festival com a participação de:
            - Rancho Folclórico de Silvares - Fundão
            - Grupo Folclórico da Região de Arganil
            - Rancho Folclórico de Vila Velha de Rodão
            - Rancho Folclórico da Casa do Povo de Alpiarça
            - Rancho Folclórico da Casa do Povo de Conceição de Faro

terça-feira, 27 de junho de 2017

CHEGAR TARDE


"Nunca faltou um pau torto para quem chegou tarde"


De vez em quando o meu pensamento resvala para o seu arquivo mais remoto e lá estou eu a trazer ao presente coisas do passado.

Hoje aconteceu-me isso quando pelo meio de uma história actual saiu-me uma frase antiga que me surpreendeu.

Há muito tempo que não ouvia nem pronunciava tais palavras e nem sequer estava a pensar em algo parecido mas saiu-me quando contava a alguém o facto de na outra noite ter chegado tarde a um espectáculo a que fui assistir e por pouco não arranjava lugar para me sentar.

Tive sorte ao conseguir sentar-me, embora num lugar longe da cena e de má visibilidade mas enfim foi o que pude arranjar devido à hora tardia a que cheguei ao local do espectáculo que era ao ar livre e de entradas gratuitas.

Já que vem a "talhe de foice" a propósito de espectáculos de entrada gratuita, sempre se assiste, a esta enorme falta de respeito para com os outros, para não dizer outras palavras menos elegantes, vendo-se pessoas que com algumas horas de antecedência se apressam a marcar com peças de roupa ou acessórios, mais alguns lugares, para outras que descansadamente chegam muito tempo depois de muitas que já lá estão e têm de ficar em pé!

Nalguns casos, são as mesmas pessoas que quando os espectáculos são pagos, se recusam a pagar uma pequena e insignificante importância para ficar sentados.

Sendo a favor do acesso de todos, aos espectáculos populares e de rua, não sou no entanto a favor da total gratuitidade dos mesmos quando se trata de lugares sentados.

Certamente se evitariam situações injustas se houvesse uma pequena contribuição a favor de uma ou mais instituições locais.

Quanto a mim, um amante incondicional dos espectáculos de rua, sejam ou não de lugares pagos, lá continuarei a ir, mesmo que por vezes, como aconteceu desta vez, chegue um pouco tarde e tenha de me contentar com um "pau torto" ou seja, um mau lugar!

Do mal ao menos, assisti ao espectáculo, diverti-me, encontrei amigos, passei um bom bocado e vou esquecer tudo o resto que embora me desgoste, não passam de uns simples acidentes de percurso!

Boas festas de rua para todos!!!

sábado, 8 de abril de 2017

FIGOS FRITOS


Longe vão os tempos em que na nossa aldeia, o figo era um precioso alimento que se consumia maduro fresco ou depois de seco, mole, torrado ou "cheio" (recheado com açúcar, miolo de amêndoa, canela e erva-doce e depois torrado).

Até ao final do segundo terço do século passado, durante a Quaresma, não eram autorizados os bailes da aldeia e faziam-se as "rifas" que nos entretinham aos sábados à noite ou aos domingos.

rifa era organizada por uma ou duas moças que convidavam para a sua casa, pessoas amigas para jogar ás cartas cujos prémios eram rebuçados naturalmente vendidos pelas organizadoras.

Por todas as redondezas se faziam rifas e algumas ganharam fama quer pela amabilidade dos donos da casa e simpatia das organizadoras quer pelo número de pessoas que sempre participavam.

Aí pelos anos quarenta, uma das mais famosas rifas na Conceição de Faro era organizada numa casa, ali para os lados da Ferradeira.

Nessa casa, era uso haver a festa de encerramento que tinha lugar no sábado de Aleluia e a que quase ninguém faltava porque de entre os acepipes eram abundantemente servidos figos fritos.

O figo seco, guardado "mole"(cru), na altura de consumir era frito em azeite, costume que só se conhecia naquela casa.

Diz quem frequentou vários anos aquela rifa que os figos fritos eram um regalo e que ainda hoje recorda o seu sabor, com prazer.

Tal costume de fritar os figos desapareceu e se havia algum segredo na receita, também.

Resta-nos recordar estes momentos e talvez um dia experimentar fritar uns figos moles para comprovar o seu sabor!

Veja aqui mais informações sobre as "Rifas" na Conceição de Faro »»»